27
maio

A bike e a corrida: uma prática ambígua?

bike x corrida 2

A prática de atividade física vem se intensificando de forma bastante significativa nos últimos anos. Na busca por um estilo de vida de vida mais equilibrado e saudável, muitas pessoas têm encontrado no exercício físico orientado as bases para este desenvolvimento. No bojo das mais distintas atividades físicas, a corrida de rua vem se destacando como uma das mais procuradas. A busca por esta modalidade, se deve em grande medida, pelo acesso fácil aos instrumentos necessários para sua prática, a tratar aqui: uma vestimenta adequada e um par de tênis (SALGADO, 2006).

No processo de iniciação dos treinos é necessário considerar questões pertinentes a capacidade de cada aluno em realizar a atividade almejada afim de estruturar um programa de treinamento que se adeque a sua realidade e a sua condição física. Por se tratar de um esporte de alto impacto algumas medidas podem ser tomadas num processo de iniciação esportiva ou mesmo de uma reabilitação pós-lesão.

É neste contexto que um aliado – aparentemente distante – pode nos ser útil na edificação de um futuro corredor. Aliar, ao treino de corrida, um trabalho complementar com outro esporte tem se demonstrado na literatura da área um importante instrumento na preparação física de atletas. Em se tratando de corrida de rua, na qual a capacidade cardiorrespiratória, bem como a musculatura de membros inferiores é bastante requerida e consequentemente desenvolvida, alguns esportes complementares se mostram mais relevantes de serem trabalhados em detrimentos de outros, uma vez que atuam de forma direta nas aptidões físicas relacionadas à corrida.

A partir das considerações expressa acima, surge a seguinte inquietação: seria a prática da bike um complemento significativo na lapidagem de um aspirante a corredor? É sem medo que respondemos esta pergunta com um SIM!

bike x corrida 3Como sabemos, a corrida de rua se caracteriza como um esporte aeróbico, que segundo Mcardle (2007) “favorece melhora nas capacidades e controle respiratório, aumenta a oxidação de gorduras para obtenção de energia, melhora o sistema cardiovascular fornecendo mais oxigênio ao músculo ativo”. Em função destas características, enquadramos o pedal como um aliado no desenvolvimento das capacidades inerentes à corrida por também se tratar de uma modalidade aeróbica com grande solicitação de membros inferiores – os mesmos trabalhados na corrida de rua.

Desta forma, como elemento complementar a prática da corrida, o pedal se alia de forma bastante significativa a um programa de treinamento com objetivos voltados para a mesma (corrida). Outro aspecto relevante de sua prática se dá aos grupos que vêm se submetendo a uma rotina de treino repetitiva em função da fase da periodização em que se encontram. Muitas vezes os treinos passam a ser monótonos, o que faz da bicicleta um importante instrumento a  ser utilizado como forma de quebrar a rotina de treino durante a preparação de um atleta.

Como vimos, a bicicleta é uma aliada do corredor, tendo em vista os inúmeros benefícios que ela pode trazer. Todavia, cabe relatarmos aqui, que conforme os objetivos voltados para a corrida se intensifiquem de forma que a busca pelo rendimento seja o fator motor do envolvimento do sujeito com a modalidade, a bicicleta passa a não ser tão interessante, uma vez que fere o princípio da especificidade do treinamento. A um indivíduo ou grupo que almeja marcas expressivas, o pedal não se apresenta com tanta eficiência como se apresentaria para um indivíduo iniciante cuja relação com o exercício físico está no desenvolvimento da saúde. Desta forma, na hora de inserir a bicicleta em seu treinos de corrida tenha claro seus objetivos e o auxílio de um profissional capacitado para fazê-lo por meio de uma periodização individualizada.

 

REFERÊNCIAS:

MCARDLE, D, W: Fisiologia do exercício. Energia, nutrição e desempenho, Rio de Janeiro, ED Guanabara, 2008.

Salgado JVV. Corrida de Rua: Análise do Crescimento do Número de Provas e de Praticantes. Campinas; 2006. [Dissertação de Mestrado – Faculdade de Educação Física da UNICAMP].

TAGS: ,